Atualização de quadro de distribuição.

Data 18 de setembro de 2011, em Serviços, por Fábio (Seu Eletricista)

Amigos, no mês de Agosto fiz diversos serviços elétricos baseados em atualização de quadros de distribuição, em todos os casos o quadro era antigo (mais de 20 anos), tendo fiação rígida e disjuntores NEMA, menos eficazes que os atuais DIN, e como de praxe, também sem aterramento.

No caso da casa em que mostro as fotos mais a baixo do quadro de distribuição, bastou a proprietária comprar uma máquina de lavar e secar roupas para o disjuntor referente à lavanderia começar a disparar.

Felizmente a proprietária foi consciente e resolveu reformar o quadro de distribuição todo incluindo a fiação, pois em boa parte dos casos para se “economizar” (explico mais adiante o motivo das aspas entre a palavra) dinheiro o proprietário(a) troca apenas o disjuntor mantendo a fiação antiga.

E como ele faz essa troca? Simples, aumenta a capacidade do disjuntor para alguns amperes a mais a fim de que o mesmo não mais dispare, mas o que ele não sabe é que mantendo a fiação com a bitola atual, fará com que o circuíto fique sobrecarregado, gerando desperdício de eletricidade já que a fiação começará a esquentar e em casos extremos porém não menos comum, a possibilidade de curto circuíto na instalação elétrica da casa.

Mas porquê isso ocorre? Bem, quando construímos uma casa ou comércio, o eletricista faz um levantamento de quais equipamentos serão usados nessa propriedade e calcula-se então a carga que o circuíto X ou Y receberá, baseado nisso é então estipulado a bitola dos fios/cabos e a amperagem de cada disjuntor. Toda a fiação tem seu limite de carga e varia dependendo a bitola usada e o disjuntor que é instalado no circuíto dessa fiação, sempre tem o valor de carga abaixo do limite da fiação para que a mesma nunca chegue ao seu limite e consequentemente esquente e entre em curto circuíto com outro fio/cabo.

Portanto, sempre que se resolve trocar um disjuntor ou todo o quadro de distribuição devido a necessidade de uma maior demanda de energia, é necessário efetuar a troca dos fios/cabos referentes aos circuítos que não mais suportam os equipamentos neles ligados.

Com relação a “economizar” dinheiro trocando apenas o disjuntor, essa é uma forma ilusória de achar que resolveu o problema gastando pouco. Na verdade o gasto será muito maior do que se o proprietário resolvesse reformular os circuítos de sua casa/comércio, pois conheço diversos casos onde somente a substituição do disjuntor foi feito gastando R$20,00 ou R$30,00, porém com a conta de luz vindo todo o mês com esses mesmos R$20,00 ou R$30,00 a mais já que o circuíto sobrecarrega e começa a esquentar e todo o calor gerado por um circuíto, nada mais é do que energia elétrica sendo desperdiçada tal como uma torneira mal fechada. Em casos mais extremos, cheguei a presenciar a instalação toda de várias casas, completamente destruídas devido a um curto circuíto que se espalhou por toda a fiação.

Concordando ou não comigo, a verdade é que o barato sempre acaba saindo mais caro!

Quadro de distribuição original / antigo.Quadro de distribuição antigo e sem normas.

 

Quadro de distribuição atual com aterramento.Quadro de distribuição atual, obedecendo as normas.
Barramento ao topo lado direito com entrada do terra, porém nessa foto o terra ainda não estava distribuído para os circuítos.

 

 

Recomende este post Recomende este post

Comments are closed.

Get Adobe Flash player
Free WordPress Themes